22 de jun de 2007

Água-cor


Água-cor

O País da cor é líquido
E revela-se
Na anilina dos vasos da farmácia.
Basta olhar, e flutuo sobre o verde
Não verde-mata, o verde-além-do verde.

E o azul é uma enseada
Na redoma.
Quizera nascer lá; estou nascendo.
Varo a lágrima de ouro do amarelo.
A cor é existente; o mais é falácia.


Carlos Drummond de Andrade.

.

2 comentários:

un dress disse...

flutuação:

eu.mesma.verde me confundo.

matéria me renasço.

Eduardo P.L. disse...

Gosto muito mais das suas ilustrações do que dos poetas! Ambos se combinam, mérito de quem as escolheu.

As @ Artérias

As  @ Artérias