18 de jul de 2007

Sob o silêncio



...do silêncio extraem-se
Ébrios pensamentos.
Dizem-se coisas e correm
As coisas ,que, como
Música tecem lumes

...do silêncio esvoaçam
Estranhas linhas
Quando do tempo
Escorrem as mais breves,
E se juntam as mais longas,
Que se enovelam
Mais e mais,
E por meio delas
Nos rendemos inertes
A oceanos.

...do silêncio adormecem
Sabores de soltos ventos,
Ou apagam-se nos olhos
Esquecidos, e prendem-se
Como fio, o tempo,
No pulso que não desata.




foto e poema: Jugioli
....................................

Um comentário:

un dress disse...

tempo: ato o pulso à pedra.

As @ Artérias

As  @ Artérias